Atenção: Esse site só pode ser visualizado perfeitamente em um browser que suporta Web Standards. É recomendável que você atualize o seu browser clicando aqui. Obrigado e desculpe o transtorno.

home . empresa . Novidades

04.06.2018

A queda da taxa de juros SELIC aumentou as chances de compra de imóvel: confira!

Faz tempo que você pensa em dar um upgrade na moradia, mas a crise econômica do país te fez empurrar esse sonho para um futuro distante?

Você não é o único brasileiro vivendo esse dilema...

Tanto quem pretende vender o apartamento para dar entrada no financiamento de um imóvel novo ou quem quer sair do aluguel e comprar o primeiro imóvel, já podem se animar porque as notícias são boas.

A taxa de juros SELIC caiu e agora você não precisa mais adiar a compra daquela casa ou apartamento dos sonhos.

Mas se você não faz ideia do que é a taxa SELIC e o que ela tem a ver com a compra de um imóvel, esse texto é para você.

Continue com a gente, descubra o que significa e como a queda da SELIC afetou o mercado de imóveis.

Descubra também como ficaram as taxas de juros para o financiamento de imóveis nos principais bancos do país.

Boa leitura!

Entenda a relação da taxa SELIC com o mercado imobiliário

A taxa básica de juros no Brasil é a SELIC, a partir da qual todas as demais são calculadas.

A sigla significa Sistema Especial de Liquidação e Custódia e para entender exatamente como ela funciona é importante ter uma noção sobre o funcionamento da economia no país.

Não é nosso objetivo discutir sobre educação financeira neste artigo, mas vamos te ajudar a compreender esse assunto de um jeito simples, para que você possa entender porque as quedas nas taxas de juros nos últimos meses interferem na sua vida.

Para começar, você sabia que entre os bancos acontecem trocas financeiras diariamente?

Sim, para equilibrar a diferença entre os valores de depósitos e saques operados em um dia e não ficar com saldo negativo, as agências bancárias solicitam empréstimos umas das outras.

Uma diferença é cobrada na hora que o banco vai devolver o empréstimo e a taxa usada para calcular este valor é a chamada SELIC.

O Banco Central do Brasil é quem define a SELIC, pelo cálculo da taxa média ponderada dos juros praticados pelas instituições financeiras em determinado período de tempo.

Entre os bancos, o prazo dos empréstimos é de um dia e o risco de inadimplência é quase nulo, porque os bancos dão como garantia títulos públicos comprados com o governo federal.

Portanto, se as taxas sobem entre os bancos, onde os riscos de calote são pequenos, esse valor é repassado para o cidadão comum que procura um empréstimo.

Para o consumidor, as taxas de juros são calculadas com a SELIC como referência e os custos como os de operação, segurança (contra inadimplência) e o lucro do banco, são adicionados.

Mas se você ainda não entendeu o que essa taxa tem a ver com o mercado imobiliário, vamos explicar.

A SELIC caiu para 6,5% ao ano, o menor valor desde a sua criação no século passado. Essa queda forçou os bancos a reduzirem os valores das taxas de crédito e voltarem a investir em distribuição de crédito.

Essas mudanças te ajudam a comprar um imóvel por dois motivos:

1. Os juros do crédito para financiamento estão mais baixos; e

2. Os imóveis estão mais baratos, porque depois de três anos sem investimentos no mercado, as construtoras e incorporadoras estão vendendo com preços menores.

Em resumo: você que pretende comprar um imóvel novo ou vender um antigo poderá contar com um cenário favorável para isso.

E agora, tudo faz sentido?

A seguir, acompanhe os bancos que reduziram as taxas de juros para financiamento imobiliário.

A Caixa Econômica impulsionou a redução das taxas

A Caixa Econômica Federal é o banco que mais financia imóveis no Brasil: ela é responsável por 70% dos financiamentos no setor.

Depois que a líder no segmento reduziu as taxas de juros, outros bancos se viram desafiados a reduzirem as taxas também.

Os bancos que acompanharam a redução na SELIC foram o Banco do Brasil, Banestes, Bradesco, Itaú e Santander.

Contudo, a Caixa saiu na frente ao alterar as regras de interveniente quitante.

Agora a empresa aceita financiar até 70% de um imóvel que contou com o crédito de um concorrente para sua construção.

Os juros cobrados pelos bancos são influenciados pelo tempo e tipo de relacionamento do cliente com ele, assim como o valor do imóvel e o perfil e renda do consumidor.

Acompanhe a seguir como ficam as taxas de juros em cada banco citado depois da redução da taxa SELIC.

Antes, nos deixe explicar as diferenças entre as siglas SFH e SFI que você vai encontrar no restante do texto. Ambas dizem respeito às categorias em que os imóveis residenciais financiados são classificados.

SFH é a sigla para Sistema Financeiro Habitacional. Nela estão enquadrados os imóveis de até R$ 800 mil para todo o país, exceto para Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal, onde o teto é R$ 950 mil.

SFI, de outra sorte, é o Sistema de Financiamento Imobiliário, nela encontram-se os imóveis que custam mais de R$ 800 mil ou R$ 950 mil.

Entendidas as diferenças, vamos ver a seguir como ficaram os juros nas diferentes agências bancárias para cada uma dessas faixas.

Banco do Brasil

Assim como a Caixa Econômica, o Banco do Brasil também efetua interveniente quitante.

Nele o juros do crédito para financiamento de imóveis no SFH caiu de 9,24% para 8,99% ao ano. Os imóveis da carteira hipotecária ficaram com juros de 9,35% ao ano, antes a taxa era de 10,15% a.a.

O banco oferece a possibilidade de financiamento em até 420 meses.

Bradesco

O Bradesco reduziu as taxas para imóveis do SFH de 9,3% para 8,85% ao ano. Para imóveis do SFI, as taxas caíram de 9,7% para 9,3% ao ano.

Banestes

No Banestes, o juros caiu de 9,8% ao ano para 8,8% para imóveis do SFH. É a menor taxa de juros do mercado de crédito imobiliário para imóveis do Sistema Financeiro de Habitação até o momento da redação deste artigo!

Para imóveis no SFI o banco opera com taxa de 9,9% a.a.

O Banestes apresenta outra vantagem em relação aos outros bancos: ele financia até 90% do valor do imóvel em até 360 meses.

Caixa Econômica Federal

Como vimos no começo dessa seção, além da redução das taxas e operação de interveniente quitante, a Caixa Econômica ampliou o percentual de financiamento de imóveis usados de 50% para 70%. Para unidades novas, o teto de 80% foi mantido.

Agora, sobre as taxas, para imóveis no SFH, a taxa mínima de juros caiu de 10,25% para 9% ao ano. Para o SFI, a taxa mínima caiu de 11,25% para 10% ao ano.

Itaú

O Itaú também aumentou o percentual de financiamento para imóveis novos e usados para até 82% do valor de imóveis que custem acima de R$ 80 mil.

Sobre as taxas, para imóveis no SFI: 9% ao ano e 9,5% ao ano para imóveis no SFH.

Santander

O Santander, reduziu a taxa de juros de 9,49% para 8,89% ao ano, para o SFH, e de 9,99% para 9,49% ao ano, no SFI.

O banco ainda oferece o parcelamento do financiamento em até 420 meses.

Pronto para comprar um imóvel?

E aí, já conseguiu entender porque a redução da taxa básica de juros (SELIC) vai te ajudar a tornar realidade o sonho da casa nova?

Ao longo do artigo te atualizamos quanto às taxas de juros e prazos de financiamento de diversos bancos, além da Caixa, que é tida como primeira opção para a maioria dos brasileiros.

Com essas informações você poderá decidir onde solicitar crédito, de acordo com suas necessidades.

Se por acaso o apartamento que você tem pensado em comprar teve sua construção financiada por um banco que não ofereça as melhores taxas, por exemplo, existe a opção de financiar com a Caixa ou Banco do Brasil, porque as duas agências operam como interveniente quitante.

Não deixe esse momento de facilidade de crédito e reaquecimento do mercado de imóveis passar.

Por outro lado, se o seu projeto é se mudar para um apartamento maior, melhor avaliado, uma dica é vender o imóvel atual para dar uma entrada significativa no financiamento do novo endereço.

O momento é propício para vender um usado graças ao aumento do percentual de financiamento de usados pela Caixa (até 70%).

A queda da SELIC está aí para que você realize seus sonhos!

E na hora de comprar um imóvel, considere conhecer os empreendimentos Città. Temos certeza que eles irão atender às suas necessidades. Clique aqui para saber mais sobre eles.

Conheça a Città Engenharia

A Città Engenharia está há mais de 20 anos no mercado de construções, respondendo por empreendimentos com alto índice de valorização, devido a qualidade, localização e suas áreas de lazer.

A Città é responsável pela construção de mais de 300 mil m² de área construída nos melhores endereços de Vila Velha e Vitória, onde mantém o compromisso com os imóveis entregues e sendo reconhecida pela satisfação total dos clientes.

Estamos entre as construtoras com maior presença no mercado imobiliário do Espírito Santo.

Quer ter mais informações sobre nossos empreendimentos? Fale agora mesmo com um de nossos corretores.

Voltar

Não encontrou o imóvel do seu sonho?

Fale com um consultor agora e conheça as melhores opções para você!

ENTRAR NO CHAT